Autoconhecimento como forma de combater a depressão

Autoconhecimento como combate à depressão

Você sabia que o autoconhecimento pode ser uma forma de combater a depressão? O autoconhecimento é um processo de reflexão e exploração constante sobre si mesmo, ou seja, é olhar para dentro, e que aliado a outros tratamentos, pode ajudar no combate a depressão.

Isso porque desenvolver essa compreensão mais profunda sobre si, facilita a enfrentar a depressão de maneira mais eficaz e construir uma base sólida para o crescimento pessoal e emocional.

Vale ressaltar que, embora o autoconhecimento seja importante, o apoio profissional deve sempre ser considerado quando se trata de saúde mental, pois as pessoas que enfrentam depressão devem procurar esse tipo de ajuda.

Neste artigo, iremos abordar como o autoconhecimento pode ser usado como forma de combater a depressão. Siga com a leitura para saber mais!

O que fazer para ter autoconhecimento?

Grande parte das pessoas passa toda a vida sem compreender o que sente e ao invés de olhar para dentro, se projeta para fora buscando satisfação em tudo que é externo como compras por exemplo. Não que comprar o que se gosta seja ruim, não é esse o ponto. O ponto chave aqui é qualquer coisa externa que é usada como fuga dos próprios sentimentos, pode ser viagens poder ser o trabalho ou qualquer outra coisa.

Provavelmente você conhece alguém que mergulha no trabalho como forma de “esquecer os problemas” e acaba por levar uma vida desequilibrada e pouco saudável.

Há também aqueles que buscam “ocupar todo o tempo” com atividades e compromissos como rota de fuga para as sensações desagradáveis e para não precisar enfrentar seus processos internos, pois não há tempo para pensar e refletir. Sabe aquele ditado: Cuidado com o vazio de uma vida ocupada demais. É sobre isso.

Um outro exemplo comum de projeção externa é aquela pessoa que está sempre ajudando os outros, mas deixa de lado a própria vida, que geralmente está em desequilíbrio. Nesse caso, fazer a caridade é uma forma de fugir dos seus próprios problemas e questões internas.

Há ainda que aqueles que procuram o tempo todo lugares agitados e estar rodeado de pessoas em festas e compromissos sociais, para evitar estar consigo mesmo, sem se dar conta que momentos de “solitude” e silêncio são necessários às vezes. Esse tipo de projeção externa não é positiva porque não é possível fugir de si mesmo.

Mas é claro que todos precisamos ter uma válvula de escape do estresse quotidiano, não se trata de se privar disso, é preciso ter discernimento para avaliar nossos comportamentos e entender do que se trata, e a melhor forma de fazer isso é sendo honesto consigo mesmo.

Isso porque esses tipos de comportamentos podem ser a “porta de entrada” para a depressão porque a pessoa nunca olha para dentro, logo nunca compreende o que sente, e, num dado momento entra numa espécie de “colapso emocional”.

Por todos esses motivos, o autoconhecimento é, muitas vezes, um processo longo e árduo porque é preciso entrar em contato com quem realmente se é, e não com quem gostaríamos de ser. Isso nos leva a perceber coisas não tão bacanas sobre nós mesmos. Daí vem a sequência do processo: admitir isso e entender o que é preciso fazer para desconstruir esse padrão de comportamento nocivo. Há várias formas de fazer isso, desde práticas como simplesmente refletir, silenciar a mente, praticar o ócio criativo e a escuta interna, participar de vivências, meditar, caminhar, até buscar ajuda profissional de um psicólogo ou psiquiatra.

Como o autoconhecimento pode ajudar a combater a depressão?

O autoconhecimento permite que uma pessoa reconheça padrões recorrentes de pensamentos e comportamentos, e compreender esses padrões é importante para que possam ser substituídos.

Além disso, conhecer suas próprias emoções e identificar os gatilhos que desencadeiam sentimentos de tristeza ou desesperança é fundamental, pois é essa consciência, que torna possível desenvolver estratégias para lidar com esses gatilhos e até mesmo evitá-los para então prevenir episódios depressivos.

O autoconhecimento permite a aceitação de si mesmo, incluindo falhas e imperfeições. Aceitar que ninguém é perfeito, inclusive você, e que está tudo bem ter limitações ajuda a reduzir a pressão autoimposta, amenizando os sentimentos de inadequação e desesperança.

Outro ponto importante é se conectar com seus valores pessoais e encontrar um propósito na vida pessoal e profissional, e se autoconhecer ajuda a descobrir o que realmente importa para você, permitindo a criação de metas e objetivos alinhados com seus valores e não com o que a sociedade, os pais e outros familiares, amigos ou cônjuge esperam de você.

A autoconsciência incentiva a busca por ajuda profissional, porque quando uma pessoa compreende a extensão de seus desafios emocionais, é mais provável que busque a orientação de um profissional de saúde mental.

Por fim, o autoconhecimento também envolve estar mais consciente sobre como fatores físicos, como sono, exercício e dieta, afetam o estado emocional. Por isso, manter um estilo de vida saudável e eliminar hábitos nocivos contribui para o bem-estar emocional e ajuda a combater a depressão. A pessoa chama para si a responsabilidade sobre o seu bem-estar e para de esperar que outras pessoas o façam se sentir bem.

Qual é a importância do autoconhecimento?

Conforme dito anteriormente, compreender a si mesmo permite tomar decisões mais conscientes, alinhadas com valores e objetivos pessoais.

Além disso, o autoconhecimento é essencial para a gestão emocional, permitindo lidar melhor com o estresse e a ansiedade.

Tenha em mente que conhecer suas habilidades e limitações facilita o estabelecimento de metas realistas e aumenta a resiliência diante de desafios. Além disso, a aceitação de si mesmo, é fundamental para o autoconhecimento, e influencia positivamente a autoestima e no amor-próprio.

Ter consciência das suas reações diante da ansiedade também é um benefício do autoconhecimento, pois permite compreender como o corpo e a mente respondem a situações estressantes, e isso ajuda na antecipação de sintomas físicos e emocionais. Essa consciência permite uma resposta mais controlada, reduzindo o impacto negativo da ansiedade no seu bem-estar.

Como o autoconhecimento pode ajudar na ansiedade?

O autoconhecimento propicia o desenvolvimento de estratégias de enfrentamento personalizadas para assim compreender melhor as respostas emocionais, e selecionar técnicas que melhor se adequam às suas necessidades.

Adotar práticas de relaxamento, meditação, exercícios físicos e outras atividades benéficas, como hobbies, por exemplo, auxiliam na redução dos níveis de ansiedade.

A compreensão dos padrões de pensamento negativos é outra área em que o autoconhecimento se destaca no combate à ansiedade. Identificar e desafiar esses padrões, permite reestruturar cognitivamente o pensamento, para ter uma visão mais equilibrada das situações, reduzindo a tendência à preocupação excessiva.

Além disso, o autoconhecimento promove a autoaceitação, um fator essencial no controle da ansiedade. Aceitar a si mesmo com todas as imperfeições reduz a autocrítica e a pressão interna, fatores que exacerbam a ansiedade.

Conclusão

Busque mais leveza e tranquilidade para o seu dia a dia, considere estar mais preparado para situações de luto futuras na família e evite despesas elevadas!

Planeje tudo com antecedência e tome decisões com tranquilidade e com mais tempo para pensar.

O Memorial Parque Jaraguá convida você a conhecer nossos serviços e agendar uma visita em nossa sede.

Entre em contato conosco e tenha acesso a um atendimento humanizado. Memorial Parque Jaraguá: Acolhimento quando você mais precisa!

Cadastre-se para receber nossa Newsletter